Menu

No tempo em que os aviões tinham motores atômicos…

Imagine um avião que pode permanecer voando durante meses ou até anos sem precisar pousar para reabastecer? Os Estados Unidos e a antiga União Soviética não só pensaram nisso como também levaram a ideia do papel para os céus usando energia nuclear!

Na década 1950, quando o caldeirão da Guerra Fria começava a ferver, as duas nações lançaram projetos de aeronaves equipadas com reatores nucleares, que teoricamente deveriam gerar eletricidade para alimentar motores especiais. Uma ideia ousada, mas também extremamente perigosa.

Nos EUA, a ideia tomou forma com o protótipo Convair X-6, uma aeronave baseada no enorme bombardeiro B-36, um dos maiores aviões já construídos. O primeiro modelo, designado “NB-36H”, teve seu porão de bombas ocupado por um reator nuclear de 3 megawatt. Embora não fosse tão grande, o reator acabou tomando todo o espaço por conta de sua enorme blindagem, um “escudo” com 12 toneladas de chumbo e borracha que protegia a tripulação da radiação, e seu sistema de refrigeração com mais 5.000 litros de água.

A aeronave realizou 47 voos e acumulou 215 horas de voo entre setembro de 1955 a março de 1957. As operações eram realizadas sempre sobre regiões isoladas no Novo México e no Texas, devido ao risco de um acidente nuclear.

O reator nuclear do NB-36H era envolvido por borracha e chumbo para não contaminar os tripulantes (USAF)

O reator nuclear do NB-36H era envolvido por borracha e chumbo para não contaminar os tripulantes (USAF)

O NB-36H, no entanto, nunca foi de fato movido por energia nuclear: foram realizados somente experimentos sobre o funcionamento de um reator a bordo de um avião e suas emissões de radiação. A fase seguinte, que seria justamente a conversão dos motores, acabou cancelada em 1958. Já os soviéticos conseguiram.

Tupolev nuclear

Em 1955, o comando militar da URSS entregou a Tupolev Design Bureau um pedido para a construção de um bombardeiro movido por energia nuclear. O fabricante russo, após seis anos de estudos nas pranchetas, levou seu avião atômico para a pista decolagem em 1961. Como o projeto norte-americano, o modelo soviético também derivava de outro grande avião da época, o Tu-95, que na versão nuclear foi chamado Tu-95LAL – a sigla em russo significa literalmente “Laboratório Atômico Voador”.

Russian_Bear_H_Aircraft_MOD_45158140-960x529

O “Laboratório Atômico Voador” foi criado a partir do Tu-95 ‘Bear’ (Divulgação)

Como realizados nos EUA, os soviéticos iniciaram os testes somente carregando o reator e avaliando seu funcionamento e níveis de emissões de radiação. Para evitar a contaminação dos tripulantes, a Tupolev desenvolveu uma proteção com chapas que combinavam diferentes materiais. O escudo russo continha camadas de sódio líquido e óxido de berílio, e chapas de aço, cádmio e parafina.

Após os testes sobre radiação, a Tupolev passou para o estágio seguinte e equipou o enorme bombardeiro com um par de motores a hélice movidos pela eletricidade gerada por um reator de urânio. O número de voos e se a tecnologia de fato funcionou, nunca foi confirmado com exatidão. O projeto foi cancelado em 1969 devido aos altíssimos custos e o risco considerável de um acidente nuclear. Durante a carreira dos “aviões nucleares”, felizmente nenhum acidente foi registrado, tanto na URSS como nos EUA.

tu95lal0na

O reator nuclear do Tu-95 gerava eletricidade para os motores (Domínio Público)

Foguetes nucleares

Os EUA podem não ter ido adiante no projeto do avião nuclear, mas criaram algo ainda mais interesse (e obviamente muito mais perigoso): foguetes nucleares.

Essa tecnologia está em estudo nos EUA desde 1955. O motor de um foguete nuclear combina energia atômica com reações químicas. De uma forma muito simplificada, a ideia funciona como uma câmara nuclear em alta temperatura que é resfriada por nitrogênio liquido, que por sua vez entra em combustão e gera o empuxo e o tradicional espetáculo pirotécnico que é o lançamento de um veículo desse tipo.

Nuclear_Rocket_Engine_Being_Transported_to_Test_Stand_-_GPN-2002-000143-819x640

Imagem do primeiro teste da Nasa com um foguete nuclear, em 1961 (NASA)

A Nasa já testou mais de 20 desses foguetes desse tipo e existem alguns projetos em andamento, mas nenhum ainda com data de lançamento.

Perigos

Aviões nucleares não são como bombas nucleares. Eles não explodem. No entanto, um acidente com uma aeronave ou foguete com esse tipo de propulsão pode espalhar material radioativo e comprometer seriamente as condições de saúde na região atingida. Um vazamento em voo poderia ser mais perigoso que um acidente em solo, como ocorreu nos desastres com as usinas de Chernobil e Fukushima.

 

Via: AirWay

Lane Mello
Fundador e Editor da Fatos Militares. Jovem mineiro, apaixonado por História, futebol e Games, Dedica seu tempo livre para fazer matérias ao site.
Receba todas nossas noticias.

Facebook

Bravulink

Cupom de 10% de desconto em todas as compras : fatosmilitares

Rede Sociais

  • 340 posts
  • 10 comments
  • 0 followers
  • 0 fans
  • 0 subscribers
  • 0 followers