Maior “encrenqueiro” da América do Sul, disparou tudo que tinha contra a Inglaterra na Guerra das Malvinas, em 1982. Será que conseguiria invadir o espaço aéreo brasileiro?

Atualmente sem caças supersônicos em condições de operação plena, a principal arma aérea da Argentina são os antigos caças-bombardeiros McDonnell-Douglas A-4 Skyhawk, com uma frota de 15 unidades ativas. No passado, o A-4 foi um formidável avião de ataque ao solo e inclusive afundou uma série de navios ingleses nas Malvinas. Mas as perdas também foram imensas, de aeronaves e pilotos. Pode ser armado com bombas e mísseis guiados por calor, no entanto tem alcance limitado e baixa velocidade: cerca de 1.100 km/h.
IA-63 Pampa da VI Brigada da FAA.
IA-63 Pampa da VI Brigada da FAA.
Outras “potenciais ameaças” argentinas podem ser os aviões nacionais da FMA (Fabrica Militar de Aviões), o turbo-hélice IA Pucará o jato IA-63 Pampa. No entanto, também são aeronaves com performances limitadas e baixo poder de fogo.
No Momento a Força Aérea Argentina não tem poder de fogo para poder invadir o território brasileiro, suas aeronaves seriam facilmente abatidas pelas baterias AA Gepard e IGLA-S, e seriam interceptadas pelos caças F-5M logo de entrada.