A Guerra das Malvinas foi um conflito travado entre Argentina e Reino Unido pela posse das Ilhas Malvinas, e que ocorreu de abril a junho de 1982, terminando com a vitória dos britânicos, que reafirmaram sua soberania sobre o pequeno conjunto de 778 ilhas localizado no Atlântico Sul, a 463 km da costa argentina.

As Malvinas contam um território de 12.173 km², e tinham uma população de cerca de 1800 habitantes à época. Mesmo com números tão pouco expressivos, a retomada das ilhas sempre fez parte da agenda política argentina e constitui até hoje uma questão de orgulho nacional para seu povo. Várias tentativas de ocupação foram feitas até 1767, quando a Espanha adquiriu os direitos da pequena colônia instalada pelos franceses, e colocou-a sob administração da Governação do Rio da Prata. Três anos depois os espanhóis expulsam os habitantes de um pequeno povoado instalado em Port Egmont.

A guerra entre as duas potências é evitada quando a Espanha aceita o retorno dos ingleses. Em 1820 a fragata Heroína, com bandeira das Províncias Unidas do Rio da Prata (futura Argentina) desembarca nas ilhas e seu capitão reclama sua soberania para o país. O teuto-argentino Luis Vernet busca colonizar de modo definitivo as ilhas, e pede proteção tanto a argentinos quanto a britânicos. Em 1833, após várias tentativas atribuladas dos argentinos de colonizarem as ilhas, elas são tomadas pelos britânicos, que decidem instalar ali uma colônia, tornando-se um importante ponto de parada em meio à navegação pelo Cabo Horn.

A partir da segunda metade do século XX os protestos argentinos pela devolução das ilhas ficam cada vez mais intensos ante a negativa de Londres, que sempre barra as negociações com a afirmação de que os habitantes locais preferem a continuação da soberania britânica nas ilhas. Com a instalação da ditadura militar na Argentina em 1976, o tema começou a ser bastante explorado, especialmente após a queda de popularidade do regime no início da década de 80, em meio a uma grave crise econômica. Uma eventual vitória sobre os britânicos ajudaria bastante a revitalizar o governo. No plano político internacional, os argentinos acreditavam que teriam o apoio dos Estados Unidos para reaver o território das Malvinas ou que os ingleses iriam abrir mão da ilha por meio de uma rápida negociação diplomática.

Assim, Leopoldo Galtieri, chefe de estado argentino, lança uma invasão às ilhas em abril de 1982 e tomam a capital do arquipélago, Stanley. Logo em seguida, os argentinos tomariam outra ilha do Atlântico sul, também de possessão britânica, South George.

No final de abril, 28 mil soldados em cem navios chegaram ao arquipélago para defender seus habitantes, considerados pela primeira-ministra britânica Margareth Thatcher parte da “tradição e reserva britânica”. A Argentina contava com uma tropa com 12 mil soldados nas ilhas e cerca de 40 navios. Com números bastante desfavoráveis e mal equipados, os argentinos foram forçados a se retirar das ilhas, com 75 dias de guerra. Ao todo, 258 britânicos e 649 argentinos morreram.

Por infoescola.com – Adaptado