O ataque marcou a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e o início da Guerra do Pacífico, ficando conhecido como Bombardeamento de Pearl Harbor e Batalha de Pearl Harbor, tendo o nome mais comum Ataque a Pearl Harbor ou simplesmente Pearl Harbor.

O ataque a Pearl Harbor foi uma operação aeronaval de ataque à base norte-americana localizada em Pearl Harbor, efetuada pela Marinha Imperial Japonesa na manhã de 7 de Dezembro de 1941.

Vejam: A Construção da Bomba Atômica japonesa durante a Guerra

Os estadunidenses não poderiam prever o ataque, ficando então vulneráveis na defesa. A oposição ocorreu apenas em fogo antiaéreo naval no decorrer da investida japonesa. Oficiais e líderes de vôo tentaram convencer o chefe da operação japonesa, Nagumo, a continuar o ataque e destruir os depósitos de combustíveis, fábricas e docas secas, mas ele resolveu cancelar a terceira onde de ataque por causa dos seguintes fatores: a defesa tinha melhorado, uma terceira onda teria que ser preparada, os pilotos não estavam treinados, o combustível não era suficiente, um novo ataque seria muito tarde, a segunda onda tinha completado a missão e era preciso garantir os porta-aviões japoneses para ataques planejados na Ásia.

Bombardeio à uma pista de pouso americana em Pearl Harbor e o jornal avisando sobre o ataque - Fatos Militares
Bombardeio à uma pista de pouso americana em Pearl Harbor e o jornal avisando sobre o ataque – Fatos Militares

O Japão apenas teve 29 aviões abatidos, 74 danificados e os cinco submarinos perdidos durante o ataque.

Enquanto o ataque danificou ou destruiu 21 navios e 347 aviões norte-americano, matando cerca de 2403 pessoas e ferindo outras 1178. Os 3 porta-aviões da frota do pacifico não se encontravam no porto e escaparam ilesos.

A ofensiva japonesa não se detém ali. Em menos de 24 horas, o império japonês ataca os Estados Unidos nas Filipinas e a Grã-Bretanha em Hong Kong, Cingapura e Malásia.