Apesar de ainda ser um país de terceiro mundo, subdesenvolvido e ainda com a população muito pobre, o Brasil tem um dos territórios mais invejáveis do mundo. Armazenando riquezas incomensuráveis, a Amazônia é “objeto” de desejo de muitos países desenvolvidos.

E se você acha que a Amazônia nunca foi alvo de uma temida invasão, está errado. Ela quase aconteceu, mas quase mesmo, e tudo se deu durante a Segunda Guerra Mundial, em 1941. O ataque seria no Nordeste e duraria 15 horas, feito por 20 mil homens, o suficiente para não deixar sobrar nada vivo, com isso esse seria o primeiro ataque dos EUA na Segunda Guerra Mundial.
O Ex-oficial da Marinha do Brasil, Antônio Cesar Sepúlveda, enquanto participava de um treinamento conjunto na terra do “tio Sam”, encontrou documentos que ninguém imaginava que existisse.

O primeiro ataque dos EUA na Segunda Guerra Mundial quase foi contra o Brasil“Vi alguns documentos em cima da mesa, todos riscados e alguns com anotações. Dei uma folheada e entre eles estava essa ordem de operações. Eu peguei, coloquei dentro do meu jaquetão e trouxe para o Brasil sem que ninguém soubesse.”
O Comandante ficou surpreso quando viu que era um plano de invasão ao Brasil, produzido em 1941. O documento do Alto Comando Militar Americano dizia como seria o ataque ao nordeste do Brasil.

“Se houvesse resistência, eles iam bombardear Natal durante 15 horas”, afirma o Ex-comandante em entrevista a Rede Globo de Televisão.

A praia de Genipabu, próxima a Natal, no Rio Grande do Norte seria o palco do desembarque da marinha americana. Segundo os documentos, 20 mil militares desembarcariam naquela praia, de mar tranquilo e longe dos grandes centros da época. As tropas teriam apoio de navios e porta aviões, grupos de paraquedistas ocupariam procissões estratégicas e lanchas de desembarque levariam os fuzileiros navais até as praias brasileiras.

Os ataques principais seriam contra Belém, Recife e Natal. Haveriam ataques simultâneos em menor escala em Salvador, Maceió, Aracaju, Fortaleza, e Fernando de Noronha. O objetivo era controlar toda costa brasileira da Bahia até o Amapá em menos de 6 horas.