A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) tem um déficit de cerca de 500 pilotos de caça do total de suas necessidades, uma lacuna que deve crescer para mais de 800 pilotos em 2022, advertiram ao Congresso oficiais do serviço.

Oficiais da Força Aérea atribuíram as recentes reduções nos esquadrões de combate e treinamento de caças aos cortes no orçamento, segundo o testemunho escrito enviado à subcomissão das Forças Armadas do Senado em 8 de março.

A USAF foi forçada a reequilibrar a sua estrutura de força de combate em 2012, devido a restrições fiscais severas, reduzindo a força em 100 aeronaves, de acordo com o comunicado. Atualmente a Força Aérea tem 54 esquadrões de caça, significativamente menos do que os 134 esquadrões de caça que existiram durante a Guerra do Golfo, no início dos anos 1990.

Os esquadrões de caça restantes do componente ativo não produzem pilotos de caça experientes em número suficiente para satisfazer todas as exigências da Força Aérea, escreveram oficiais no comunicado.

“Sem esses pilotos de caça, a Força Aérea será muito desafiada a continuar a fornecer a supremacia aérea da qual dependem todas as outras forças”, diz a declaração.

A Força Aérea está tendo problemas para reduzir o déficit por causa da concorrência das companhias aéreas comerciais, disse o tenente-general John Raymond, vice-chefe de gabinete, ao subcomitê durante uma audiência na terça-feira. As companhias aéreas estão contratando cerca de 3.500 pilotos por mês, ele disse.

A Força Aérea irá apresentar os legisladores um plano concreto para preencher a lacuna de pilotos de caça no próximo ano, informou o tenente-general Mike Holmes, vice-chefe de pessoal para planos e necessidades estratégicas, à subcomissão. O plano incluirá duas unidades de formação de combate adicionais para treinar os alunos na formação de pilotos de graduação (UPT), e aumentar a produção UPT, ele disse aos legisladores.

No curto prazo, a Força Aérea está focada em manter a força de pilotos de caça existentes através de bônus e outras ferramentas, Holmes disse aos legisladores. O serviço também vai trabalhar para absorver os pilotos que deixam o serviço ativo na Reserva ou da Guarda “para manter essa experiência”, acrescentou.

“Achamos que, se fizermos isso, podemos começar a preencher essa lacuna, e no próximo ano vamos trazer-lhes um plano”, disse Holmes. “Nós vamos fazê-lo caber no nosso orçamento, mas alguma coisa ficará de fora, e vamos trazer-lhes outro plano no próximo ano para abordar a questão.”

Mas mesmo com as mudanças planejadas para lidar com o déficit, no ambiente fiscal em curso a Força Aérea só vai ser capaz de retardar o declínio no número de piloto de caça, não interrompê-lo, oficiais disseram no comunicado. A Força Aérea vai precisar de dólares adicionais para resolver totalmente o problema, disse Holmes a repórteres após a audiência.

“É um grande problema para nós, em geral, para sobreviver como uma Força Aérea e para sermos capazes de continuar a fazer o nosso trabalho, é um problema prioritário para resolvermos”, disse Holmes. “Eu acho que sei como resolvê-lo, mas tenho que conseguir o dinheiro para fazê-lo.”

FONTE: PODER NAVAL