A Ucrânia está preparando unidades do Exército, da Guarda Nacional e da polícia para uma operação de retomada da Crimeia, reintegrada à Federação Russa em março de 2014, após decisão popular baseada em um referendo realizado na península.

21327

A informação foi confirmada pelo ministro ucraniano do Interior, Arsen Avakov, em entrevista a um canal de TV do país. “Não temos nada. Precisamos de um novo Exército, de uma nova Guarda Nacional e de uma nova polícia. O Estado ucraniano agora cuida desses assuntos. Temos que recuperar tudo isso e, se tivermos vontade, a Crimeia estará conosco”, destacou o ministro.

De acordo com Avakov, deputados da Suprema Rada estão trabalhando junto com líderes do autodenominado Congresso dos Tártaros da Crimeia na criação de uma unidade especial da Guarda Nacional para tratar especificamente desse objetivo.

“O projeto se prepara para que estejamos prontos para recuperar a Crimeia”.

Afirmando que a Rússia reforçou consideravelmente a sua presença militar na região, o presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, solicitou por sua vez o fortalecimento das posições ucranianas na fronteira com a península e em todo o litoral do mar Negro. 

“Ordeno ao Ministério da Defesa e ao Estado-Maior que apresentem propostas para um reforço drástico das possibilidades militares da Ucrânia ao longo da costa do mar Negro”, disse Poroshenko. 

Segundo alguns órgãos de imprensa locais, ao tomar conhecimento da situação, o primeiro-ministro da Crimeia, Sergei Aksionov, qualificou as declarações ucranianas como “material para psiquiatras”. 

“Ir à guerra contra o Exército da Rússia, o mais poderoso do mundo, é uma coisa inviável”, afirmou o premier. 

FONTE: SPUTNIK