National Harbor, Maryland -. A Força Aérea dos EUA pode em breve realizar experimentos com uma aeronave de ataque leve que poderia realizar missões de apoio aéreo aproximado e complementar os aviões existentes – como o A-10 Thunderbolt II, disseram funcionários do serviço de aquisição, em 21 de setembro

A Força Aérea está buscando a aprovação para testar uma plataforma que não esteja em desenvolvimento, referida como OA-X, disse o general Arnold Bunch, representante militar no escritório para aquisição do secretário assistente da Força Aérea.

“Se conseguirmos a aprovação de avançar com uma experimentação … [nós organizaríamos] uma demonstração de voo para buscar os recursos que estão em uso lá fora”, disse ele durante uma mesa redonda com a mídia na conferência anual de Ar e Espaço da Air Force Association em National Harbor, Maryland. “Isso seria apenas para coletar informações. Não seria para selecionar nada agora. Seria para informar a Força Aérea sobre as capacidades que estão disponíveis.”

O A-29 Super Tucano, construído pela Embraer, e o AT-6 Wolverine, fabricado pela Beechcraft Defense, poderiam ser opções viáveis para o programa OA-X, os especialistas têm sugerido.

 

wolverine3
AT6 – Wolverine

Será um longo processo de aprovação para o experimento, e Bunch não dá um prazo. “Eu não estou esperando que seja na próxima semana”, disse ele. Se a Força Aérea receber aprovação, o serviço vai levar de 120 a 150 dias para se preparar para o experimento, acrescentou.

A experiência não é sobre a compra de uma aeronave imediatamente, disse Bunch. “Nós não estamos buscando algo nesse sentido. Estamos tentando criar um ambiente onde possamos ver e demonstrar que os recursos disponíveis na prateleira e disponíveis hoje “, disse.

Dentro da Força Aérea, há uma escola de pensamento que sugere que o serviço pode comprar uma aeronave que seja de baixo custo e capaz de operar em um ambiente permissivo, então talvez ele possa cumprir algumas missões das aeronaves de quarta e quinta geração e reduzir os custos, afirmou.

“Isso é uma escola de pensamento” e não necessariamente o que a Força Aérea acredita, acrescentou. A decisão não pode ser feita até que as experiências sejam conduzidas, completou.

Dado que a Força Aérea está interessada em um avião comercial de prateleira, seria difícil para a indústria apresentar um projeto limpo a partir do zero, informou.

O programa OA-X não é sobre a substituição do velho A-10, disse ele. Por enquanto, o serviço não tem planos para um substituto imediato para o Warthog, disse Bunch.

“Isso não é o que está em discussão. É algo que nós temos que fazer uma ampla estratégia de engajamento para chegar a um plano. Não é do que se trata. A questão é sobre o que está imediatamente disponível”, acrescentou.

Por enquanto o serviço está dando os primeiros passos e ainda não foi iniciado um documento de requisitos para um programa de substituição do A-10, que seria conhecido como o A-X2, disse Bunch.

Durante anos, a Força Aérea e o Congresso têm estado em desacordo sobre o velho, mas amado, A-10. O serviço tem tentado aposentar a aeronave, dizendo que ela desvia fundos de outros programas importantes, mas os defensores de Capitol Hill bloquearam esses esforços.

FONTE: Poder Aéreo