O inimigo de nosso inimigo nem sempre é nosso amigo, na maioria das vezes ele se torna nosso inimigo também. Muitos milicianos mujahidins, treinados e financiados pelos EUA durante a Guerra Fria, transformaram-se na maior ameaça à América no século XXI.

Quando Clement Rodney Hampton-el, técnico do hospital do Brooklyn, Nova Jersey, voltou para casa vindo da guerra do Afeganistão, em 1989, disse aos amigos que seu único desejo era retornar. Embora tenha sido ferido no braço e na perna por uma granada russa, ele disse que falhou. Ele não havia alcançado o martírio em nome do Islã, então encontrou um novo campo para sua guerra santa e conseguiu um tipo diferente de martírio. Hampton-el foi acusado de planejar uma série de explosões em Manhattan e condenado a 35 anos de prisão.

Ele foi descrito pelos promotores como um especialista em bombas. Não era algo surpreendente; no Afeganistão ele lutou com o grupo mujahidin Hezb-i-Islami, cujo treinamento e armamento foram fornecidos principalmente pela CIA.

Mas Halpton-el não estava sozinho. As autoridades americanas estimam que, de 1985 a 1992, mais de 2.500 estrangeiros foram treinados em bombas, sabotagem e guerrilha urbana em campos afegãos que a CIA ajudou a montar.

Mujahideens from Afghan War – unknown author – Jihad

Durante a década de 1970, quando a URSS era considerada a maior ameaça para a América e o islamismo radical não era uma preocupação, os EUA financiavam militantes islâmicos para combater as tropas russas no Afeganistão. Um dos membros mais proeminentes dos mujahidins era filho de um rico empresário saudita chamado Osama bin Laden, homem que mais tarde seria responsável pelos atentados de 11 de Setembro e que se tornaria o inimigo número um do ocidente e a pessoa mais procurada do mundo por uma década.

Desde a queda do governo fantoche soviético no país, em 1992, milhares de estrangeiros, além de Hampton-el, continuaram a passar por campos de treinamento afegãos. Eles continuaram sendo administrados por uma série de extremistas islâmicos, que incluía Osama bin Laden. bin Laden chegou no Afeganistão vindo da Arábia Saudita em 1979, aos 22 anos. embora tenha vivenciado uma quantidade considerável de combates, em torno da cidade de Jalalabad, em março de 1989, e, mais cedo, em torno da cidade fronteiriça de Khost, sua especialidade era a logística.

De sua base na cidade paquistanesa de Peshawar, ele usou sua experiência no comércio de construção e sua fortuna para construir uma série de bases onde os mujahidins poderiam ser treinados por paquistaneses, americanos e, segundo relatórios divulgados pela imprensa,  britânicos.

Depois que Ronald Reagan foi eleito em 1981, o financiamento Americano aos mujahideen aumentou significativamente. Os Estados Unidos financiariam Gulbuddin Hekmatyar, um líder mujahidin e suposto negociante de heroína que trabalhava em estreita colaboração com Bin Laden. Hekmaytyar e seu grupo político e paramilitar teriam recebido mais de US $ 600 milhões dos EUA.

O autor, Alfred McCoy, afirmou que a CIA apoiou Hekmatyar em seu comércio ilícito de heroína para permitir que ele financiasse os mujahidins, assim como Bin Laden, Hekmatyar também se tornou um inimigo dos EUA, travando uma guerra contra as forças da coalizão no Afeganistão depois de 2001.