Fatos Militares

Ataque Doolittle – A Alfinetada no coração do Japão

Compartilhar no:

O Ataque Doolittle é um dos ataques aéreos mais famosos da Segunda Guerra Mundial. O primeiro ataque americano às ilhas japonesas, foi realizado através de um planejamento cuidadoso. Embora seu impacto prático tenha sido mínimo, foi um poderoso momento que impulsionou a moral americana e abalou os japoneses.

Preparando-se para o ataque ao Japão

Anúncios

Em 21 de dezembro de 1941, duas semanas após o ataque japonês a Pearl Harbor, o presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, disse aos chefes de Estado americanos que queria que o Japão fosse bombardeado o mais rápido possível. Após o choque de Pearl Harbor, a moral americana precisava de um impulso. Também seria bom abalar a fé japonesa na capacidade de se proteger.

Em janeiro, o capitão Francis Low apresentou uma ideia que se tornaria mais tarde o Ataque Doolittle. Tendo observado bombardeiros do Exército, ele acreditava que eles poderiam ser lançados de porta-aviões. Isso permitiria que uma carga grande de bombas chegasse ao Japão a partir de uma distância que não colocaria a frota americana em risco.

O ataque foi planejado e liderado pelo tenente-coronel James “Jimmy” Doolittle.

B-25B Mitchell no convés do USS Hornet

B-25B Mitchell no convés do USS Hornet

O bombardeiro médio B-25B Mitchell foi escolhido para a missão. Considerada na época a melhor aeronave para o ataque, o B-25B precisava ser equipado com tanques extras de combustível para a incomum missão de longo alcance. Outras modificações incluíram a remoção de uma torre de canhão, a adição de descongeladores para o longo vôo de alta altitude e outras adições.

Definido o Alvo!

Em 1º de abril, os 16 bombardeiros modificados, cada um com uma tripulação de cinco homens, e sua equipe de apoio foram carregados a bordo do USS Hornet . No dia seguinte, o Hornet juntou-se ao USS Enterprise no oceano Pacífico. Os dois porta-aviões, em companhia com uma frota de 14 navios de escolta, seguiram para a zona de lançamento.

No dia 17, a frota de navios receberam a última carga de combustível a partir de navios de abastecimento, em seguida, foram oeste a 20 nós em direção ao ponto de lançamento em águas controladas pelo Japão.

James Doolittle amarrar medalhas em uma Bomba

James Doolittle amarrar medalhas em uma Bomba no USS Hornet

"Apenas o começo" - Ataque Doolittle

Uma bomba escrita “Apenas o começo”.

Na manhã do 18, O navio de patrulha Japonesa, Nitto Maru, avistou a força-tarefa americana. Os navios americanos rapidamente destruíram o navio, então foi decidido iniciar a operação, se por acaso o barco de patrulha tivesse avisado por rádio a localização da frota americana.

Nitto Maru afundando

Nitto Maru afundando após disparos do USS Nashville

Este barco foi afundado por tiros do USS Nashville. O suboficial chefe que comandava o barco japonês cometeu suicídio, mas cinco membros da tripulação sobreviveram e foram resgatados pelo Nashville. 

Nitto Maru

O navio de patrulha Japonesa – Nitto Maru – afundando

O Tenente-Coronel Doolittle decidiu lançar o ataque dez horas mais cedo, cerca de 800 milhas da costa do Japão ao invés das desejadas 450 a 650 milhas. Isso significava voar mais 150 milhas náuticas.

Os bombardeiro B-25B nunca haviam decolado de um Porta-Aviões antes, mas todos os pilotos conseguiram . Por volta de 09:20, todos os 16 estavam no ar.

Um bombardeiro norte-americano B-25B decola do porta-aviões USS Hornet (CV-8) durante o “Ataque Doolittle”.

Um bombardeiro norte-americano B-25B decola do porta-aviões USS Hornet (CV-8) durante o “Ataque Doolittle”.

O ataque ao Japão

Era meio-dia em Tóquio quando os aviões chegaram. Embora os japoneses tivessem realizado exercícios de ataque aéreo, nunca haviam sido seriamente ameaçados pelos aviões chineses durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa. Mas isso estava prestes a mudar.

As defesas aéreas de Tóquio eram leves e a cidade estava despreparada para um ataque real. A tripulação de um dos B-25 chegou a derrubar um caça japonês. Alguns armamentos das aeronaves foram removidos para torná-los mais leves, mas eles tinham armas falsas nos cones da cauda, ​​o que dissuadiu os japoneses de atacá-los por baixo.

Apenas uma aeronave, a do tenente Richard O. Joyce, recebeu dano de batalha, e estes foram pequenos danos de fogo antiaéreo. Outro deixou cair suas bombas cedo para evitar ser atingido. Nenhum deles foram abatido.

Os bombardeiros lançaram suas cargas em 16 alvos industriais e militares, a maioria deles em Tóquio. 

Mapa do Ataque Doolittle

Mapa do Ataque Doolittle

Deixando o Japão

Tendo terminado o ataque, os aviões voariam para o sudoeste, em direção aos campos de pouso na China. Lá, eles iriam reabastecer e voariam para casa.

Um dos aviões estava com pouco combustível. Em vez disso, dirigiu-se à União Soviética e desembarcou em uma base aérea a 65 quilômetros de Vladivostok. Os russos não estavam em guerra contra os japoneses. Sob os termos de seu pacto de neutralidade, os russos foram obrigados a prender a tripulação americana.

Eles foram presos perto da fronteira iraniana. Eventualmente, eles subornaram um contrabandista para tirá-los e atravessar a fronteira, chegando ao consulado britânico em maio de 1943. Mais tarde, descobriu-se que a fuga deles fora arquitetada pelos soviéticos para contornar uma questão diplomática.

Os outros 15 aviões foram para a China como planejado. O lançamento antecipado da missão os deixou com pouco combustível. Quando o mau tempo desceu, ficou evidente que eles não conseguiriam chegar aos campos de pouso antes que o combustível acabasse. Eles teriam que abandonar seus aviões quando chegassem à costa da China.

Todos os quinze tripulantes abandonaram suas aeronaves com sucesso. Três dos B-25 foram abandonados no mar. O resto caiu em terra. Apenas três homens morreram nos acidentes.

Robert Hite capturado na China após o Ataque Doolittle

Robert Hite capturado na China após o Ataque Doolittle

Tropas japonesas capturaram oito dos tripulantes. Deles, três foram executados e um morreu em cativeiro. O resto escapou, com a ajuda de soldados e civis chineses. Muitos dos civis arriscaram suas vidas para resgatá-los e foram punidos pelos japoneses.

Efeito do Ataque Doolittle

Coronel Doolittle, achou que a missão era um fracasso e esperava ser uma corte marcial quando voltasse para casa, porque perdeu todas as 16 aeronaves e, por não conseguir recuperar todo o seu pessoal.

A reação do público, no entanto, provou que, para os americanos, o resultado valeu a pena. O Ataque Doolittle foi um grande impulso para a moral do público. Doolittle foi promovido a general de brigada. Todo homem que participou do ataque foi premiado com a Distinguished Flying Cross. Doolittle recebeu a Medalha de Honra.

O ataque matou 87 pessoas em Tóquio e feriu 462. Algumas das vítimas foram crianças, enfurecendo o público japonês.

O Ataque Doolittle tinha dado resultado. A moral americana foi levantada. Os nervos japoneses foram abalados. O Império do Japão estava finalmente vulnerável.

O Filme Pearl Harbor lançado em 2001 conta a história desse ataque

Ataque Doolittle – A Alfinetada no coração do Japão
3.3 (66.67%) 3 Votos
Anúncios

Deixe seu comentário

Início
Notícias
Histórias Bizarras
Artigos
Curiosidades
Armas
Videos
Quiz