Artigos

Batalha de Montese – A batalha mais sangrenta dos pracinhas na Guerra

0
Batalha de Montese

Conheça mais sobre a Batalha de Montese, a mais sangrenta da FEB na Segunda Guerra Mundial

A Batalha de Montese aconteceu no final da Segunda Guerra Mundial, nos dias 14 e 17 de abril de 1945, fazendo parte da Ofensiva Aliada final da Campanha na Itália, possuindo de um lado os pracinhas (FEB), junto com alguns tanques da 1ª Divisão Blindada Norte-Americana, e de outro, tropas do 14º Exército Alemão.

As tropas aliadas atacavam os inimigos na Itália, desde o início do ano de 1945, mas, para conquistar o norte, era necessário conquistar o território estratégica de Montese.


“A conquista de Montese era importante para a vitória final, pois, determinaria a evolução do cenário e o prosseguimento da Guerra na Itália”, explica o general Gerson Menandro, Comandante Militar do Oeste e especialista sobre a Batalha de Montese.

Relógio Militar Delta com FRETE GRÁTIS (Clique na imagem acima). 6x s/juros!

A conquista de Montese era o principal objetivo da 2ª Cia. do 1º Btl/11º RI. Tinha sido planejada para ser executada em duas fases,uma com o lançamento de fortes patrulhas destinadas a capturar a primeira linha de alturas de posse do inimigo, e outra de ataque, precedida de intensa preparação de artilharia, apoio de blindados e cortina de fumaça.

soldados brasileiros na batalha de montese

Vejam: Os dezessete pracinhas que não se renderam após a morte

Tendo início do primeiro ataque as 09:00 h com o ataque de dois pelotões a dois postos avançados do inimigo. Conforme previsto no planejamento os dois pelotões atacaram os objetivos, com forte reação do inimigo.

O 1º Pelotão foi detido pelo forte fogo inimigo, conseguindo conquistar o objetivo algumas horas depois. O 2ª Pelotão foi detido em um campo minado sento castigado pela concentração do fogo de artilharia. Neste ataque, seu comandante foi atingido mortalmente na cabeça. Devido a estes contratempos o objetivo definido para o 2º Pelotão não foi atingido.

A segunda fase com início às 12:00, também com dois pelotões. Às 11:45, o comandante confirmou a operação, considerado como hora “H” para o ataque principal.

De inicio o 1º Pelotão atacou o cume, tendo vencido 1/3 do percurso,logo sem seguida foi atingido por intenso fogo da artilharia alemã, que acabou cortando o fio do telefone e assim dificultando o contato entre as equipes.


patrulha brasileira na batalha de montese

Patrulha brasileira na batalha de montese

Superados estes contratempos o pelotão atingiu o topo das elevações de Montese, porém, perdeu contato com as outras companhia, em seguida o cume foi atingido pela artilharia, assim deixando os alemães desalojados,que logo em seguida foram abatidos ou capturados.

O 2º Grupo de Combate, logo após juntar-se ao 1º, foi empregado para dominar resistências que hostilizavam nosso flanco direito. Colocado em situação favorável e atirando de curta distância sobre um abrigo onde havia uma metralhadora inimiga, após alguns ataques a posição foi conquistada.

Na manhã do dia 15, ainda com a artilharia alemã atacando a cidades, as tropas brasileiras fizeram uma limpeza da cidade. Tendo feitos oito prisioneiros Alemães, do lado Brasileiro, quatro baixas, sendo um morto e três feridos.

A Batalha de Montese seria considerada encerrada em 16 de abril, com o fim dos contra-ataques alemães. Embora o trabalho de”limpeza” na cidade e arredores contra franco-atiradores tenha prosseguido até o dia 17.

A conquista de Montese é significava o rompimento das linhas inimigas “Gótica” e “Gengis Khan”, permitindo que os brasileiros cercassem 148ª Divisão e aprisionando cerca de 21 mil homens.

Compartilhe este artigo com seus familiares e amigos e discuta sobre o assunto!

Lane Mello
Fundador e Editor da Fatos Militares. Jovem mineiro, apaixonado por História, futebol e Games, Dedica seu tempo livre para fazer matérias ao site.

Principais armas utilizadas na Primeira Guerra Mundial

Previous article

Principais armas utilizadas na Segunda Guerra Mundial

Next article

You may also like

Comments

Comments are closed.

More in Artigos