Um General croata se matou durante um tribunal penal internacional, depois que o apelo à sua condenação por crime de guerra foi rejeitado por um juiz da ONU em Haia, Países Baixos.

O General croata Slobodan Praljak, de 72 anos, tomou uma dose de cianeto, depois anunciou: “Eu apenas tomei veneno … Eu não sou um criminoso de guerra. Eu me oponho a essa convicção “.

O Militar havia sido condenado por seu papel na guerra na Bósnia e Herzegovina(1992-95), em que suas unidades se dedicavam à limpeza étnica contra os muçulmanos da Bósnia na tentativa de expulsá-los da região.

A audiência foi suspensa de imediato e o seu advogado afirmou que o seu “cliente tomou veneno”.

O tribunal apresentava nesse dia o resultado do recurso apresentado por Slobodan Praljak e outros cinco ex-dirigentes e chefes militares dos croatas da Bósnia, condenados em 2013 por perseguirem, expulsarem e assassinarem muçulmanos, entre 1992 e 1994.

Dois outros condenados também viram as suas sentenças confirmadas antes de a audiência ter sido interrompida.