Conheça as causas e consequências da Guerra da Coréia com esse resumo sobre o conflito que moldou a atualidade que conhecemos:

Guerra da Coréia foi chamada de “A Guerra Esquecida” nos Estados Unidos, onde a cobertura do conflito, nos anos 1950, foi censurada. Ainda assim, décadas depois quando lembrada, sua memória é muitas vezes ofuscada pela Segunda Guerra Mundial e pela Guerra do Vietnã.

Mas o conflito de três anos na Coréia, que levou as forças comunistas e capitalistas a se enfrentarem, preparou o terreno para décadas de tensão entre a Coréia do Norte, a Coréia do Sul e os Estados Unidos.


Também ajudou a moldar a rivalidade URSS-EUA durante a Guerra Fria, formando profundamente o mundo em que vivemos hoje.

Com as tensões entre a Coréia do Norte e os Estados Unidos cada vez mais afloradas, levando a vários testes de mísseis como provocações, esse artigo tem o objetivo de te levar a conhecer a Guerra da Coréia e os impactos que se prolongam mais de 60 anos após seu fim.

Como a Guerra da Coréia aconteceu?

A Guerra da Coréia (1950-1953) começou quando o exército comunista norte-coreano cruzou o 38º paralelo (responsável por dividir a Coreia em duas partes) e invadiu a Coréia do Sul não-comunista.

Conheça o fuzil Kalashnikov 47 a invenção mais mortífera do século XX

Como o exército da Coréia do Norte de Kim Il-Sung estava armado com tanques soviéticos, rapidamente ultrapassou a Coréia do Sul, os Estados Unidos chegaram para ajudar a Coréia do Sul.

General Douglas MacArthur
O general Douglas MacArthur observa o ataque a Inchon do USS Mount McKinley, 15 de setembro de 1950. Fotografia do Exército dos EUA.

O general Douglas MacArthur, que supervisionou a ocupação pós-Segunda Guerra Mundial do Japão, comandou as forças dos EUA, que começaram a impedir os norte-coreanos em Pusan, na ponta ao sul da Coréia.

Embora a Coreia não fosse estrategicamente essencial para os Estados Unidos, o ambiente político nessa fase da Guerra Fria possuía tanta tensão que os EUA não queriam parecer “suaves ao comunismo“.


Teoricamente, os Estados Unidos da América interviram como parte de uma “ação policial” administrada por uma força internacional de paz da ONU (Nações Unidas); na verdade, a ONU estava simplesmente sendo manipulada pelos interesses anticomunistas dos EUA e da OTAN.

Com as forças dos EUA, da ONU e da Coréia do Sul presas contra o mar em Pusan, MacArthur orquestrou um atrevido ataque aquático a Inchon, um porto na costa ocidental da Coréia.

Depois de chegar ao local, MacArthur esmagou o exército norte-coreano e recapturou Seul, a capital da Coréia do Sul. Em vez de ficar satisfeito com sua rápida reconquista, MacArthur cruzou o 38º Paralelo e perseguiu o exército norte-coreano até as províncias mais a norte da Coréia do Norte.

Com receio de que os EUA estavam interessados ​​em levar a Coréia do Norte como base para operações contra a Manchúria, a República Popular da China enviou secretamente um exército por todo o rio Yalu.

Americanos na Coréia
Americanos na Coréia, 20 de novembro de 1950

O exército chinês atacou as forças dos EUA / Nações Unidas / Coreia do Sul. Somente após a nomeação do tenente general Matthew Ridgway como comandante de forças terrestres, a moral americana melhorou e a iniciativa começou a ser efetiva contra os comunistas chineses.

Embora o presidente Truman tenha esperado acabar com a guerra rapidamente e pressionado MacArthur para ter feito mais, o brilhante estrategista foi contra ordens presidenciais e continuou atacando com esperanças de reunificar a Coréia.

Depois de obter o apoio do Joint Chiefs of Staff (JCS), Truman tirou MacArthur do comando. O movimento foi extremamente impopular na América; MacArthur foi percebido como um herói de guerra popular. Apenas o apoio do JCS salvou Truman do impeachment após essa atitude.

Ridgway assumiu o comando de MacArthur e impediu os comunistas de construírem fortificações ao norte do 38º Paralelo, enviando ofensas ocasionais contra o Triângulo de Ferro, a área de preparação dos comunistas para ataques à Coréia do Sul.

As negociações de paz se arrastaram para Kaesong, e depois continuaram em Panmunjom de 1951 até 1952.

Os EUA tentaram usar o bombardeio estratégico para intimidar os comunistas na negociação de um tratado de paz, mas não se isso não levou a repatriação. Nenhum lado queria parecer fraco, e as negociações continuavam, ocasionalmente, por meses.

Só depois que Eisenhower, um herói de guerra e sem medo de críticas republicanas, se tornou presidente, os EUA puderam fazer grandes concessões aos comunistas.

Em 1953, um tratado de paz foi assinado em Panmunjom que “encerrou” a Guerra da Coréia, mantendo a Coreia em um status dividido essencialmente antes da guerra. Nem a guerra nem o resultado dela diminuíram a tensão da era fria da era.

Quem foram os Combatentes?

A Guerra da Coréia foi entre a Coréia do Sul e os Estados Unidos, lutando sob a vontade das Nações Unidas, contra a Coréia do Norte e a China.

Outras nações também contribuíram com tropas, mas as forças americanas realizaram a maior parte dos combates. O exército sul-coreano praticamente entrou em colapso no início da guerra.

A União Soviética apoiou a Coréia do Norte no início da guerra, enviando armas, tanques e conselhos estratégicos. Mas a China logo emergiu como o aliado mais importante, enviando soldados para lutar na Coréia como forma de manter o conflito longe de sua fronteira.

O líder chinês, Mao Zedong, também viu a participação da China na “Guerra Esquecida” como forma de agradecer aos comunistas coreanos que lutaram na Guerra Civil chinesa.

Assim, houve muito contato de campo entre as forças americanas e chinesas. Em certo sentido, essa foi a primeira e única guerra entre a China e os Estados Unidos, até agora.

Você sabia que a Guerra da Coreia foi uma das guerras mais caras da história ? Conheça as 5 Guerras mais caras da história

Como a Guerra da Coreia afetou a Guerra Fria?

Após a Segunda Guerra Mundial, ainda havia questões não resolvidas entre o Ocidente (os EUA e seus aliados) e o Oriente (União Soviética e seus aliados), especialmente em relação à supremacia mundial.

Essas diferenças resultaram na Guerra Fria, nomeada assim por causa da natureza do conflito. A guerra fria apresentou um conflito armado mínimo entre as grandes potências, mas financiaram guerras na África e no Oriente Médio.

A guerra assumiu um ângulo predominantemente capitalista versus comunista, pois ambos tentaram espalhar suas ideologias para o resto do mundo.

Os EUA iniciaram o programa de contenção para barrar a crescente influência da União Soviética e isso acabou por criar a Guerra da Coréia. A Coréia do Norte com o apoio da China e facilitada por Stalin iniciou uma invasão na Coréia do Sul.

As Nações Unidas (os EUA e outros membros da U.N.) assumiram uma posição para proteger a Coréia do Sul, então, basicamente, a Guerra da Coréia proporcionou uma oportunidade para que os inimigos da Guerra Fria lutassem entre eles e resolvessem velhas dividas até chegarem aos armistícios.

O papel principal da Guerra da Coréia na Guerra Fria foi ser um cenário para um conflito entre os comunistas e o Ocidente.

Logo após a Segunda Guerra Mundial, a península coreana foi dividida em dois países. Esses eram a Coreia do Norte comunista e a Coreia do Sul anticomunista. Ambos os lados queriam reunificar o país pela força.

Mesmo depois que a Guerra Esquecida acabou, a península coreana (e a Zona desmilitarizada em particular) continuou a ser um local onde as tensões entre os comunistas e o Ocidente são muito evidentes.

Forças americanas desembarcando em Inchon
Forças americanas desembarcando em Inchon, 15 de setembro de 1950. Fotografia da Marinha dos EUA.

Como a Guerra da Coreia acabou?

Em resumo, a Guerra da Coréia não terminou.

O conflito armado terminou quando a Coréia do Norte, a China e os Estados Unidos chegaram a um armistício em 1953.

Mas a Coréia do Sul não concordou com o armistício e nenhum tratado formal de paz foi assinado. Assim, ainda existe um estado técnico de guerra entre os combatentes.
Nem a Coreia do Norte nem a Coreia do Sul alcançaram seu objetivo: a destruição do regime opositor e a reunificação da península dividida.

Consequências da Guerra da Coreia

Desde 1953, há uma convivência incômoda entre a Coréia do Norte e a Coréia do Sul, que abriga mais de 20 mil soldados americanos. Ao mesmo tempo, centenas de armas nucleares americanas estão presentes lá.

Foi a partir da Guerra da Coréia em diante que a uma presença militar permanente e global foi instalada de uma forma nunca vista antes.

Nas décadas após a Guerra Esquecida, a Coréia do Sul transformou-se em uma potência econômica.  Enquanto isso, a Coréia do Norte tornou-se “o estado com armamento mais incrível do mundo com o quarto maior exército do globo“.

E se a Coréia do Norte tivesse ganhado a Guerra da Coréia?

A Coréia do Norte poderia ter conquistado a guerra de três maneiras:

Primeiro, se os Estados Unidos tivessem decidido não intervir, a Coréia do Norte teria enganado as forças sul-coreanas e levado Pusan, provavelmente terminando a guerra.

Em segundo lugar, mesmo após a implantação das forças dos EUA e das Nações Unidas na Coréia do Sul, a situação permaneceu constante. Em vários pontos da Batalha de Pusan, as forças norte-coreanas ameaçaram penetrar as linhas da ONU e colapsar o inimigo.

Se isso acontecesse, os Estados Unidos teriam enfrentado a difícil escolha de continuar a guerra e continuar a invasão em Inchon.

Em terceiro lugar, a intervenção da China na guerra em novembro de 1950 devastou o avanço das forças da ONU. Embora a ONU se tenha recuperado, não era inconcebível que a ofensiva chinesa pudesse ter forçado um colapso da ONU.

Em qualquer uma dessas situações, Pyongyang teria reinado em toda a península coreana.

Refugiados da Coréia do Norte
Refugiados da Coréia do Norte sendo evacuados pelos americanos, 1952. Fotografia da Marinha dos EUA.

O que seria a Coréia unificada sob Pyongyang hoje? Provavelmente não muito parecida com a Coréia do Sul moderna, mas também não muito como a Coréia do Norte contemporânea.

De certa forma, a Coréia estaria melhor posicionada para entrar na economia internacional do que a China ou o Vietnã. A colonização japonesa da Coréia trouxe industrialização e desenvolvimento.

Se Pyongyang tivesse conquistado a guerra rapidamente, o norte não teria sofrido a devastação do bombardeio estratégico dos Estados Unidos.

No total, a Coréia Unificada sob comando de Pyongyang teria uma posição forte para se desenvolver como um poder industrial dentro do bloco socialista, encontrando mercados tanto na URSS quanto na República Popular da China.

A grande questão é se uma Coréia socialista unificada tentaria se juntar à economia internacional global no final da Guerra Fria, como fez a China e o Vietnã. A dinastia Kim talvez fosse destinada a ser de natureza ditatorial, mas os regimes de Le Duan e Mao Zedong pareciam igualmente impenetráveis.

Ambos moderados, no entanto, concedendo liberdade econômica e um certo grau de latitude política que o povo da Coréia do Norte não aprecia.

Politicamente, a Coréia poderia ter se transformado em uma economia com um forte apoio militar para causas socialistas em todo o mundo.

Em sua atual era, a Coréia do Norte poderia ter sido um importante exportador de armas e, se Kim Il-Sung tivesse unido o país, provavelmente teria contribuído ainda mais nessa frente.

No que diz respeito às relações com o bloco soviético, a dinastia Kim teria acabado com a guerra, em dívida com Moscou e Pequim. A proximidade da Coreia com a China provavelmente teria empurrado Kim para Moscou.

Assim, uma Coréia unificada sob comando do Norte teria sido essencial a uma possível vitória do Socialismo, tanto na URSS como em várias partes do mundo.

Gostou do artigo de hoje? Aprendeu mais com esse resumo sobre a Guerra da Coréia (1950-1953)? Deixa nos comentários!

Guerra da Coréia: Tudo sobre o conflito esquecido que moldou a atualidade
4 (80%) 4 Votos


Assine nossa Newsletter

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here