A BMW foi marcada por uma história escura na Segunda Guerra Mundial

Embora tenha se passado 73 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial, as memórias são cruas para muitos. Algumas pessoas e – neste caso – algumas empresas e grupos ainda têm arrependimentos sobre seu lugar na história. A empresa de automóveis BMW é uma delas.

O proprietário da BMW, Günther Quandt e o filho Herbert, ficaram amigáveis ​​com Hitler e se beneficiaram com o Holocausto, sendo entregues negócios de judeus que foram enviados para campos de concentração.


A empresa manteve cerca de 50 mil trabalhadores forçados e prisioneiros dos campos de concentração durante a guerra. Esses trabalhadores forçados eram de territórios ocupados pela Alemanha ou eram prisioneiros de guerras.

Conheça alguns dos melhores filmes da Segunda Guerra Mundial

Esses trabalhadores, de quase todos os países europeus, eram praticamente tratados como escravos. Eles não foram devidamente pagos e trabalhavam em condições perigosas. Eles também foram abusados ​​fisicamente e houve altos índices de mortalidade entre esses prisioneiros. A empresa na época estava trabalhando com os nazistas na exploração desses trabalhadores e causando miséria incontestável.

Durante seu centenário em 2016, a Bayerische Motoren Werke A expressou seu “profundo arrependimento pelo enorme sofrimento” causado pelo uso do trabalho escravo nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

 

Adolf Hitler com Granz-josef em uma fábrica da BMW
Adolf Hitler em uma fábrica da BMW em Munique com o CEO Franz-Josef Popp – 1935.

BMW escreveu:

“Sob o regime nacional-socialista da década de 1930 e 40, a BMW AG operava exclusivamente como fornecedora da indústria de armas alemã”.

Eles também aproveitaram a oportunidade para lembrar a todos que eram “a primeira corporação industrial a iniciar um debate público sobre este capítulo de sua história com a publicação de um livro intitulado BMW – Eine Deutsche Geschichte (BMW – A German History)”. :

“Desde os anos 1990, o Grupo BMW tem se empenhado ativamente em promover a abertura, o respeito e o entendimento entre as culturas”.

BMW R75
Fileira de motocicletas BMW R75, possivelmente no Frente Oriental.

A fabricante de automóveis icônico alemão forneceu uma série de veículos ao exército alemão. Os nazistas usaram a engenharia superior da empresa BMW para produzir os veículos que precisavam para fazer guerra desde dos Montes Urais até Marrocos. Empresas alemãs como a BMW, ajudaram o Partido nazista a criar uma máquina de guerra altamente eficiente e a embarcarem em uma guerra mundial.


Após a Segunda Guerra Mundial, soldados aliados requisitaram e ocuparam as fabricas da empresa. Como a BMW foi classificada como empresa de armamento, máquinas e ferramentas foram desmanteladas. A partir de 1945, foi iniciada a produção de eletrodomésticos, em Milbertshofen e fábrica de Berlim.

Heinkel HE 162
Heinkel HE 162

A empresa poderia ter mudado o curso da guerra, com seus projetos de motores. A empresa criou alguns dos protótipos dos primeiros motores a jato. Eventualmente, um dos primeiros jatos do mundo, o Heinkel HE 162, tinha um motor BMW. Por sorte, chegou muito tarde na guerra para alterar o seu curso. Esta empresa agora respeitada certamente tem um passado sombrio, mas sua abertura em reconhecer isso também deve ser admirada.

História escura da BMW na Segunda Guerra Mundial
4.8 (96.67%) 6 Voto[s]


Assine nossa Newsletter

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here