Fatos Militares

Irmãos brasileiros lutaram de lados opostos na Segunda Guerra Mundial

Compartilhar no:

Conheça a historia dos irmão brasileiros que lutaram de lados oposta na Segunda Guerra Mundial

Anúncios

A Segunda guerra mundial nos trouxe alguns casos impressionantes, mas esse caso ocorreu com dois irmãos brasileiros que lutaram de lados diferentes, durante a guerra.

Dois brasileiros, Gerd Emil Brunckhorst e seu irmão Paul Heinrich, lutaram como soldados na Segunda Guerra Mundial, com uma diferença importante: estavam em lados opostos e poderiam até ter combatido um contra o outro.

O cabo Gerd serviu na Força Expedicionária Brasileira e sobreviveu à guerra. Seu irmão mais velho serviu no Exército alemão e morreu na frente russa. A história dos dois é um exemplo de como a guerra pode separar famílias. Gerd trabalhava em uma companhia de seguros no Rio e foi afastado da empresa por ser filho de alemães quando o Brasil declarou guerra em 1942.

Irmãos brasileiros lutaram de lados opostos na Segunda Guerra Mundial

Mas isso não impediu que fosse recrutado e partisse para a guerra no primeiro escalão da tropa brasileira. Serviu na 1ª Companhia do 9º Batalhão de Engenharia, a primeira unidade a entrar na linha de frente em 1944. A família morava em São Paulo. Quando Gerd se mudou para o Rio, informou ao Exército – “eu era tão “caxias” que me apresentei na circunscrição de recrutamento”. Se não fosse isso, talvez nem tivesse sido recrutado, dado o caos do recrutamento da FEB, que teve vários médicos convocados para servir como tenentes de infantaria.

Mas não me arrependo destes três anos do Exército“, diz ele. Um médico também se ofereceu para “dar um jeitinho” e torná-lo incapaz de ir à guerra, de graça. Gerd recusou. “Senti vergonha“, diz. “Muitos pagaram por isso, mesmo oficiais“, afirma Gerd. Ele se lembra de vários filhos de alemães na unidade. Um tenente certa vez levou um susto ao ver alguns do grupo: “mas é tudo Fritz!”, exclamou.
Paul Heinrich Brunckhorst teve menos sorte. Aos 16 anos, a família o enviou para a Alemanha em 1938 para fazer um tratamento de saúde. Ele tinha problemas de crescimento, media apenas 1,50 metro.
A guerra começou em 1939 e ele ficou retido no país de seus ancestrais. Seu tamanho não impediu que fosse recrutado para o Exército alemão em 1943,sendo ferido uma vez, e depois morto em combate. Antes disso ele tinha trabalhado em uma indústria bélica.

A família no Brasil tinha notícias esporádicas através de cartas enviadas via Suíça. “Ainda tenho as cartas dele“, diz Gerd. O corpo de Paul nunca foi encontrado. A família só soube da morte depois da guerra.

Outros descendentes de alemães foram para a guerra como voluntários, como fizeram também filhos de franceses, britânicos e italianos. Um primo de Gerd serviu na Força Aérea alemã. Alunos da “Deutsche Schule” de São Paulo, a Escola Alemã (hoje Porto Seguro), lutaram dos dois lados. Dois se tornaram aviadores da Força Aérea Brasileira na guerra na Itália -Roland Rittmeister, piloto do 1º Grupo de Caça, e Carlos Klotz,da 1ª Esquadrilha de Ligação e Observação.

Esse e uns dos casos que nos faz lembra do filme A Irmandade da Guerra, que ocorreu na Guerra da Coreia.

Irmãos brasileiros lutaram de lados opostos na Segunda Guerra Mundial
Avalie esta postagem
Anúncios

Deixe seu comentário

Início
Notícias
Histórias Bizarras
Artigos
Curiosidades
Armas
Videos
Quiz