Artigos

Plano Marshall: A reconstrução de um continente e a luta contra o comunismo

0
Plano Marshall

Conheça o Plano Marshall, a reconstrução de um continente e a luta contra o comunismo

O Plano Marshall é considerado o mais bem-sucedido programa de ajuda externa da história. O discurso que delineou o ambicioso plano foi feito em 1947

O discurso foi sem alarde e durou apenas 12 minutos, mas assinalou uma mudança na era do pós-guerra e anunciou grandes mudanças por vir. Em 5 de junho de 1947, o secretário de Estado dos EUA, George C. Marshall, dirigiu-se à turma de formandos da Universidade de Harvard, em Cambridge, Massachusetts. Em poucos dias, suas recomendações ficaram conhecidas como o Plano Marshall, entrando para a história como o projeto de reconstrução mais bem-sucedido do século XX.


“O Plano Marshall serviu como base econômica e política para a aliança ocidental que travou a Guerra Fria“, disse Diane Kunz, professora de história da Universidade de Yale. “Permitiu que os Estados Unidos gradualmente se engajassem no “confronto bipolar”, comprometendo dinheiro, não sangue”.

Relógio Militar Delta com FRETE GRÁTIS (Clique na imagem acima). 6x s/juros!

O plano de Marshall foi projetado para neutralizar a propagação do comunismo na Europa

No entanto, os historiadores discordam sobre o tamanho do papel desempenhado pelo financiamento do Plano Marshall na recuperação econômica da Europa. O discurso de Marshall ofereceu poucos detalhes, mas o poderoso impacto de suas ideias, militar e politicamente, deixou uma marca na Europa por décadas após o fim da guerra.

Conheça a Guerra da Coréia o conflito esquecido que moldou a atualidade

Depois da guerra, os Estados Unidos, com sua infraestrutura intacta e economia próspera, tinham uma noção clara de para onde o país caminhava. Por outro lado, especialistas previam colapso financeiro e social na Europa.
Marshall, futuro ganhador do Prêmio Nobel da Paz, disse em Harvard que sua proposta foi “dirigida não contra qualquer país ou doutrina, mas contra a fome, a pobreza, o desespero e o caos”.

O efeito Marshall

No final do Plano, em 1952, cinco anos após o discurso de Marshall, os Estados Unidos haviam investido mais de US $ 13 bilhões em bens e serviços financeiros, equivalentes a cerca de US $ 100 bilhões hoje (74,3 bilhões de euros). Cerca de US $ 1,4 bilhão do total inicial foi investido na reconstrução da Alemanha, que estava reduzida a entulho.

A oferta de ajuda dos EUA foi feita para todos os países europeus. Os quatro principais destinatários da ajuda, em ordem decrescente, foram a Grã-Bretanha, a França, a Itália e a Alemanha. Moscou deu o tom para a Guerra Fria, com um claro “nyet” que proibia os países do Leste Europeu de aceitar a generosidade do benfeitor capitalista.

Ninguém duvida que o Plano Marshall contribuiu poderosamente para consolidar a divisão da Europa e do mundo.
As intenções de Washington eram claras: somente com prosperidade a Europa Ocidental poderia se tornar um baluarte contra o comunismo. O Plano Marshall ajudou a tornar as massas famintas da Europa parceiros confiáveis ​​para os EUA.


 Presidente Harry S. Truman discursando em uma sessão conjunta do Congresso pedindo US $ 400 milhões em ajuda à Grécia e à Turquia. Este discurso ficou conhecido como o discurso da "Doutrina Truman" (12 de Março de 1947)

O Presidente Harry S. Truman discursando em uma sessão conjunta do Congresso pedindo US $ 400 milhões em ajuda à Grécia e à Turquia. Este discurso ficou conhecido como o discurso da “Doutrina Truman” (12 de Março de 1947)

Os idealizadores do Plano Marshall não podem receber todo o crédito por esse sucesso. Os recursos locais representaram 80 a 90 por cento da formação de capital nas principais economias europeias durante os dois primeiros anos do programa de recuperação, de acordo com o professor de história da Universidade de Iowa, Michael Hogan, um proeminente especialista no Plano Marshall.

O plano começou dois anos depois da Conferência de Potsdam

O plano começou dois anos depois da Conferência de Potsdam

No entanto, o Plano Marshall forneceu a “margem crítica” de apoio que possibilitou a autoajuda europeia. Isso alimentou as importações essenciais, aliviou os gargalos de produção, encorajou taxas mais altas de formação de capital e ajudou a suprimir a inflação, escreveu Hogan em um documento que celebra o 50º aniversário do discurso de Marshall.

Todos esses efeitos levaram a ganhos de produtividade, melhorias no comércio e a era mais duradoura de paz social e prosperidade na história europeia moderna.

Organizado a partir de: The Marshall Plan: Rebuilding a War-Torn Continent (DW)The Truman Doctrine and the Marshall Plan (USA DEPARTAMENT OF STATE – OFFICE OF THE HISTORIAN)

Compartilhe este artigo com seus familiares e amigos e discuta sobre o assunto!

Lane Mello
Fundador e Editor da Fatos Militares. Jovem mineiro, apaixonado por História, futebol e Games, Dedica seu tempo livre para fazer matérias ao site.

Guerra de Independência dos Estados Unidos, uma guerra civil

Previous article

O dia em que uma Fragata da Marinha brasileira quase afundou um submarino nuclear americano

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

More in Artigos