ArtigosCuriosidades

Porta-aviões – Os Reis dos Mares

0
USS Gerald R. Ford (CVN-78)
O USS Gerald R. Ford (CVN-78). - Marinha dos Estados Unidos

Conheça a história dos Porta-aviões, ou como podemos chamar os “Reis dos Mares”.

Os Reis dos mares, assim como são chamados os porta aviões, surgiram durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1910, o piloto Eugene Burton Ely foi o primeiro homem a decolar em um avião do convés de um navio.

Logo, outras nações começaram a experimentar a ideia. Mesmo antes das hostilidades incitarem a Segunda Guerra Mundial, tornou-se óbvio que um conflito estava no horizonte. Como tal, muitos países se esforçaram para desenvolver novas tecnologias militares que lhes garantissem uma vantagem decisiva e, finalmente, uma vitória.

Algumas das opções mais bem-sucedidas incluíam pistolas, tanques e submarinos de carga automática, todos os quais eram os filhos da corrida armamentista inicial.

Nada mais, no entanto, mudaria a face da guerra mais do que as inovações no combate aéreo. Aqui é onde os zepelins, aviões de guerra e outras aeronaves foram concebidos, construídos e implantados. O corolário dessas invenções é que cada uma delas exigiria novas formas de transporte e lançamento.

Conheça: Graf Zeppelin – O Porta-aviões de Hitler

O ano 1918 viu a chegada do primeiro navio flattop, e com ele veio a capacidade de lançar e pousar aeronaves. O navio foi chamado o HMS Argus. Apesar das consideráveis ​​vantagens táticas oferecidas por esses novos navios, o Tratado Naval de Washington de 1922, impôs restrições à construção e ao desenvolvimento de novos navios de combate.

HMS Argus

Uma vez que menos porta-aviões poderiam ser construídos, as marinhas de muitos países retrabalhavam e reformavam os navios existentes e rapidamente os reorganizavam para atender aos propósitos avançados. Embarcações marítimas modernizadas, incluindo desde navios de carga até cruzadores de batalha, rapidamente se tornaram porta-aviões em forças navais ao redor do mundo.

A Segunda Guerra Mundial trouxe novos desafios. Agora aviões e combates aéreos estavam à frente e no centro. Aviões se engajaram em batalhas por longas distâncias, lutando entre si nos céus da Grã-Bretanha e Malta, e em muitos outros lugares.

Veja: Como o erro de um marinheiro quase custou um porta-aviões aos EUA

Os japoneses demonstraram o poder devastador e a eficiência dessas máquinas em 7 de dezembro de 1941, lançando um ataque contra os Estados Unidos. Eles atacaram Pearl Harbor com mais de 400 aeronaves, reforçadas por embarcações navais.

Embora houvesse vários submarinos e encouraçados, era o número de porta aviões armados contra os americanos que mostrou a grande eficácia do ataque de Pearl Harbor. Se havia alguma dúvida sobre a necessidade do porta-aviões, após o ataque não existia mais.

Nas décadas seguintes, a tecnologia de porta-aviões só ficou maior e mais avançada. Agora, mais de quarenta desses navios estão ativos, espalhados pelo mundo.

As dimensões média dos reis dos mares moderno são imensas: 1068 pés (mais de 325 metros) de comprimento, 257 pés (cerca de 78 metros) de largura e 244 pés (74 metros) da quilha para o mastro, que é aproximadamente o mesmo que um edifício de vinte e quatro andares.

porta-aviões chinês ‘Liaoning’

Na foto o porta-aviões chinês ‘Liaoning’.

A âncora pesa cerca de 30 mil kg. Um Porta Aviões em média requer cerca de 4.500 tripulantes para uma operação adequada e, portanto, o próprio navio assume as instalações e as dimensões de uma cidade flutuante.

Com o tempo, tanto taticamente quanto estrategicamente, o porta-aviões efetivamente usurpou o navio de guerra, que era o carro-chefe tradicional de uma frota.

Uma das principais vantagens de um porta-aviões é reduz as distâncias de que a aeronave leva para chegar ao seu destino. Isso não apenas fornece uma maior disponibilidade de aviões na zona de combate, mas permite que as aeronaves permaneçam em uma batalha por mais tempo.

Clique para classificar este post!
[Total: 1 Média: 5]
Lane Mello
Fundador e Editor da Fatos Militares. Jovem mineiro, apaixonado por História, futebol e Games, Dedica seu tempo livre para fazer matérias ao site.

Terceira Guerra Mundial: O que aconteceria com o Brasil?

Artigo anterior

Manfred von Richthofen – O Barão Vermelho

Próximo artigo

Comentários

Os comentários estão fechados.

Mais Artigos