Políticos da esquerda e da direita se manifestaram contra o acordo de atualização de tanques

 

O governo alemão está enfrentando uma onda de pedidos para suspender as exportações de armas para a Turquia depois que surgiram relatos de que os tanques Leopard fabricados na Alemanha estavam sendo usados ​​em uma ofensiva contra o YPG curdo.

Alguns políticos alemães solicitaram que qualquer movimento para aprovar um acordo de atualização de tanques seja interrompido.


As forças turcas iniciaram um assalto no noroeste da Síria no último sábado.

A polêmica vem apenas algumas semanas depois que os ministros do exterior dos dois países se comprometeram a melhorar os laços bilaterais.

As relações entre os dois membros da Otan se agravaram dramaticamente nos últimos anos.

Turquia lançou uma ofensiva para expulsar milícia curda da região de Afrin no último sábado.

Boatos sugeriram que Berlim estava se movimentando para aprovar um pedido da Turquia para que o fabricante alemão de armas Rheinmetall atualizasse seus tanques Leopard 2, para torná-los menos vulneráveis ​​a explosivos.

Acredita-se que os tanques tenham sido usados ​​pela Turquia contra o grupo Estado Islâmico na Síria. No entanto, especialistas em defesa disseram na mídia alemã que imagens recentes da operação turca batizada de “Operação Ramo de Oliveira“, parecem mostrar que eles são usados ​​contra grupos curdos.

Políticos da esquerda e da direita se manifestaram contra o acordo de atualização de tanques e pediram ao governo que esclarecesse sua posição sobre a ofensiva turca na região de Afrin, no norte da Síria.

Norbert Röttgen, membro do partido da União Democrata Cristã (CDU) da chanceler Angela Merkel e presidente do comitê parlamentar de assuntos estrangeiros, disse que era ” óbvio” que a Alemanha não deveria fornecer as atualizações dos tanques.


Ele disse ao programa World Tonight da Radio BBC 4 que a intervenção das forças turcas era “ilegal, contrária ao direito internacional e contraproducente em relação à luta contra o ISIS”.

Ele disse que a Turquia não poderia pretender agir em defesa própria porque “não houve nenhum ataque contra a Turquia pelas forças curdas na Síria”.

Röttgen elogiou os EUA por se declararem contra a ofensiva turca, dizendo: “Os americanos são os únicos aliados da Otan que são claros sobre o que está acontecendo. Muitas vezes, criticamos a administração do Trump, mas neste momento eles são mais claros e mais corajosos do que os outros, e devemos segui-los. ”

O ministro das Relações Exteriores alemão, Sigmar Gabriel, disse na segunda-feira que ele havia chamado seu colega turco, Mevlüt Çavuşoğlu, para expressar preocupações sobre o impacto humanitário da ofensiva de Afrin.

O presidente da Turquia prometeu “esmagar” a milícia da Unidade de Proteção do Povo (YPG), que controla Afrin e mais de 400 quilômetros da fronteira do norte da Síria.

Na terça-feira, as Nações Unidas disseram que cerca de 5.000 pessoas foram deslocadas até agora nos confrontos na região de Afrin.

Avalie esta postagem


Assine nossa Newsletter

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.