Artigos

Vasili Arkhipov – O Russo que evitou a Terceira Guerra Mundial

2
Vasili-Arkhipov

Conheça o dia em que Vasili Arkhipov se recusou a lançar torpedos nucleares durante a crise dos mísseis de Cuba.

Em 15 de outubro de 1962, Os Estados Unidos descobriram que os soviéticos estavam construindo silos de mísseis nucleares em cuba.  A crise dos mísseis de Cuba começou no dia seguinte, terminando 13 dias depois para alívio da população mundial.

Já em 1 de outubro de 1962. Quatro submarinos Foxtrot armados com torpedos nucleares são obrigados a deixar sua base no Ártico e se dirigir a Cuba. Cada um tem seu próprio capitão, mas todos se submetem à autoridade de seu comandante de flotilha, Vasili Arkhipov.

Conheça a história do avião que quase causou uma Guerra Nuclear – U-2 Dragon Lady.

Vasili Arkhipov está como o segundo comandante no B-59, atuando como comandante de submarino está Valentin Grigorievitch Savitsky. À sua frente estão um B-4, um B-36 e um B-130. Todos são movidos a diesel por causa do desastre do submarino nuclear K-19 (No final do artigo falamos sobre esse desastre). 

Vasili Arkhipov

Vasili Alexandrovich Arkhipov

No dia seguinte, Moscou ordena que eles deixem as águas cubanas e vão para o leste, para o Mar dos Sargaços. Nesse mesmo dia, Kennedy anuncia a quarentena de Cuba e aumenta a condição de prontidão para defesa do país (DEFCON) de 4 para 3 (em prontidão para a guerra), a primeira de sua história.

Como não chegava mais mensagens de Moscou, a frota de submarinos depende de transmissões de rádio americanas para obter informações. Eles ouvem sobre uma invasão de Cuba pelos EUA e sobre a possibilidade de estarem procurando submarinos soviéticos na área.

Em 24 de outubro, Os Estados Unidos entra em DEFCON 2 – o último passo antes de uma guerra nuclear -. No submarino de Vasili Arkhipov, o ar-condicionado falha e a temperatura sobe para 70° F. Na seção de diesel, é mais de 75° F. Como a temperatura média no Mar dos Sargaços está em 80° F, isso só vai piorar.

Incapazes de retornar a Cuba, seus homens estão com rações limitadas a um copo por homem por dia. 

Em águas internacionais, a frota emerge para carregar suas baterias. Mas a sorte acaba no dia 27 de outubro quando eles finalmente são vistos.

A frota mergulha, na esperança de se esconder do sonar usando as camadas isotérmicas do oceano – diferentes camadas subaquáticas de temperatura que confundem a detecção. Mas o tempo se estabilizou e, infelizmente, para os submarinos, as camadas isotérmicas sumiram. Ainda mais infeliz, o B-59 de Vasili não carregou completamente suas baterias.

USS Cony (DD-508)

USS Cony (DD-508)

Entre 4 e 5 da tarde, o USS Cony os encontra. Então, o alto comando da Marinha preocupou-se que esses submarinos, pudessem pôr em perigo o bloqueio sobre cuba. Portanto, sob as ordens do Pentágono, um grupo de 11 destróieres e um porta-aviões – USS Randolph – realizaram esforços sistemáticos para rastrear os submarinos soviéticos, com ordens estritas de não atacar.

Para aliviar as tensões, Kennedy chama Kruschev e conta a ele sobre a descoberta. Ele garante ao primeiro-ministro soviético que os militares dos EUA apenas forçarão a frota a chegar à superfície e não os atacarão.

John Kennedy e Nikita Khrushchev

O Presidente Americano John Kennedy conversa com o primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev.

Vasili Arkhipov e seus homens agora têm mais com o que se preocupar do que o calor crescente, o cheiro de diesel, o cheiro do óleo da bateria e o suprimento de água cada vez menor.

E ainda não há notícias de Moscou.

Ficando impaciente, a Marinha dos EUA começa a despejar explosivos de treinamento na água, esperando que essa abordagem mais persuasiva funcione. Eles estão esperando uma explosão sendo disparada do submarino soviético, porque é isso que os submarinos americanos fazem para sinalizar um inimigo de seu desejo de emergir.

O esforço dos EUA para emergir os submarinos soviéticos envolvia riscos consideráveis; Os submarinos B-59 e B-130, foram sacudidos o suficiente para que os oficiais pensassem em usar armas nucleares em respostas a esses avisos. Esses torpedos tinham o poder explosivo semelhante a bomba que devastou Hiroshima em agosto de 1945.

Até agora, as temperaturas no submarino de Vasili Arkhipov exceder os 100 °F e as baterias estão prestes a acabar. Se eles não agirem logo, eles sufocarão.

O que nem Kennedy nem seus assessores militares percebem é que cada capitão de submarino tinha autoridade para liberar seu arsenal nuclear – mas apenas se o oficial político e o comandante da flotilha concordarem. Savitsky dá a ordem para disparar o torpedo contra o porta-aviões USS Randolph. Seu oficial político, Ivan Semonovich Maslennikov, concorda. Arkhipov comandante da flotilha diz não, ordenando que esperem por instruções de Moscou.

Mas Moscou permanece em silêncio.

Arkhipov e Savitsky entram em uma discussão. Arkhipov considera a possibilidade de que os americanos só querem que eles emergem. Savitsky está convencido de que a guerra começou e que a honra da Rússia depende de ele voltar atrás.

Mas Arkhipov ainda é assombrado pelas mortes a bordo do K-19. Ele viu em primeira mão os horrores que a radiação nuclear pode desencadear. E ele tem uma família na Rússia.

Conheça: O dia em que Fragata da Marinha brasileira quase afundou submarino nuclear americano

Ele se mantém firme, Savitsky acaba recuando e eles entram em contato com os americanos que lhes dão permissão para aparecer.

Submarino Soviético B-59

Submarino Soviético B-59

Nenhum americano embarca no submarino. Os soviéticos estão autorizados a respirar ar fresco e depois voltam para casa. Uma vez lá, um dos superiores de Arkhipov diz a ele que teria sido melhor se ele tivesse morrido.

Na edição de 13 de outubro de 2002 do Boston Globe , Thomas Blanton, diretor do National Security Archive, foi citado como tendo dito que um “sujeito chamado Vasili Arkhipov salvou o mundo”.

E é por isso que você consegue ler isso.

Vasili Arkhipov - O homem que salvou o mundo

Este homem pode ter literalmente salvado o mundo. Vasili Arkhipov argumentou contra a determinação do capitão B-59 de disparar um torpedo nuclear contra o porta-aviões USS Randolph.

Sobre o acidente do Submarino K-19

Tudo começou em 4 de julho de 1961. Vasili Arkhipov estava a bordo do então novo submarino K-19 carregado com mísseis balísticos, quando aconteceu um vazamento em seu sistema de resfriamento do reator nuclear. Para evitar uma catástrofe nuclear, o capitão ordenou que a tripulação contivesse o vazamento.

Oito marinheiros morreram em poucos dias devido à radiação, causando um motim, mas Vasili Arkhipov apoiou seu capitão e o desastre foi contido. Por sua lealdade, bravura e calma, ele recebeu uma medalha.

Gostou do artigo de hoje? Viu como um homem evitou o início da Terceira Guerra Mundial? Deixa nos comentários oque achou sobre o artigo!

Fonte: National Security Archive

Clique para classificar este post!
[Total: 7 Média: 4.7]
Lane Mello
Fundador e Editor da Fatos Militares. Jovem mineiro, apaixonado por História, futebol e Games, Dedica seu tempo livre para fazer matérias ao site.

Conheça os efeitos que uma arma nuclear teria se fosse solta em Washington, nos EUA

Artigo anterior

Carros de combate do Exército Brasileiro

Próximo artigo

2 Comentários

  1. Excelente texto

  2. Muito bom esse texto, não conhecia essa história, foi bem esclarecedor

Os comentários estão fechados.

Mais Artigos