Conheça o dia em que Vasili Arkhipov se recusou a lançar torpedos nucleares durante a crise dos mísseis de Cuba.

Em 15 de outubro de 1962, Os Estados Unidos descobriram que os soviéticos estavam construindo silos de mísseis nucleares em cuba.  A crise dos mísseis de Cuba começou no dia seguinte, terminando 13 dias depois para alívio da população mundial.

Já em 1 de outubro de 1962. Quatro submarinos Foxtrot armados com torpedos nucleares são obrigados a deixar sua base no Ártico e se dirigir a Cuba. Cada um tem seu próprio capitão, mas todos se submetem à autoridade de seu comandante de flotilha, Vasili Arkhipov.


Conheça a história do avião que quase causou uma Guerra Nuclear – U-2 Dragon Lady.

Vasili Arkhipov está como o segundo comandante no B-59, atuando como comandante de submarino está Valentin Grigorievitch Savitsky. À sua frente estão um B-4, um B-36 e um B-130. Todos são movidos a diesel por causa do desastre do submarino nuclear K-19 (No final do artigo falamos sobre esse desastre). 

Vasili Arkhipov
Vasili Alexandrovich Arkhipov

No dia seguinte, Moscou ordena que eles deixem as águas cubanas e vão para o leste, para o Mar dos Sargaços. Nesse mesmo dia, Kennedy anuncia a quarentena de Cuba e aumenta a condição de prontidão para defesa do país (DEFCON) de 4 para 3 (em prontidão para a guerra), a primeira de sua história.

Como não chegava mais mensagens de Moscou, a frota de submarinos depende de transmissões de rádio americanas para obter informações. Eles ouvem sobre uma invasão de Cuba pelos EUA e sobre a possibilidade de estarem procurando submarinos soviéticos na área.

Em 24 de outubro, Os Estados Unidos entra em DEFCON 2 – o último passo antes de uma guerra nuclear -. No submarino de Vasili Arkhipov, o ar-condicionado falha e a temperatura sobe para 70° F. Na seção de diesel, é mais de 75° F. Como a temperatura média no Mar dos Sargaços está em 80° F, isso só vai piorar.

Incapazes de retornar a Cuba, seus homens estão com rações limitadas a um copo por homem por dia. 

Em águas internacionais, a frota emerge para carregar suas baterias. Mas a sorte acaba no dia 27 de outubro quando eles finalmente são vistos.


A frota mergulha, na esperança de se esconder do sonar usando as camadas isotérmicas do oceano – diferentes camadas subaquáticas de temperatura que confundem a detecção. Mas o tempo se estabilizou e, infelizmente, para os submarinos, as camadas isotérmicas sumiram. Ainda mais infeliz, o B-59 de Vasili não carregou completamente suas baterias.

USS Cony (DD-508)
USS Cony (DD-508)

Entre 4 e 5 da tarde, o USS Cony os encontra. Então, o alto comando da Marinha preocupou-se que esses submarinos, pudessem pôr em perigo o bloqueio sobre cuba. Portanto, sob as ordens do Pentágono, um grupo de 11 destróieres e um porta-aviões – USS Randolph – realizaram esforços sistemáticos para rastrear os submarinos soviéticos, com ordens estritas de não atacar.

Para aliviar as tensões, Kennedy chama Kruschev e conta a ele sobre a descoberta. Ele garante ao primeiro-ministro soviético que os militares dos EUA apenas forçarão a frota a chegar à superfície e não os atacarão.

John Kennedy e Nikita Khrushchev
O Presidente Americano John Kennedy conversa com o primeiro-ministro soviético Nikita Khrushchev.

Vasili Arkhipov e seus homens agora têm mais com o que se preocupar do que o calor crescente, o cheiro de diesel, o cheiro do óleo da bateria e o suprimento de água cada vez menor.

E ainda não há notícias de Moscou.

Ficando impaciente, a Marinha dos EUA começa a despejar explosivos de treinamento na água, esperando que essa abordagem mais persuasiva funcione. Eles estão esperando uma explosão sendo disparada do submarino soviético, porque é isso que os submarinos americanos fazem para sinalizar um inimigo de seu desejo de emergir.

O esforço dos EUA para emergir os submarinos soviéticos envolvia riscos consideráveis; Os submarinos B-59 e B-130, foram sacudidos o suficiente para que os oficiais pensassem em usar armas nucleares em respostas a esses avisos. Esses torpedos tinham o poder explosivo semelhante a bomba que devastou Hiroshima em agosto de 1945.

Até agora, as temperaturas no submarino de Vasili Arkhipov exceder os 100 °F e as baterias estão prestes a acabar. Se eles não agirem logo, eles sufocarão.

O que nem Kennedy nem seus assessores militares percebem é que cada capitão de submarino tinha autoridade para liberar seu arsenal nuclear – mas apenas se o oficial político e o comandante da flotilha concordarem. Savitsky dá a ordem para disparar o torpedo contra o porta-aviões USS Randolph. Seu oficial político, Ivan Semonovich Maslennikov, concorda. Arkhipov comandante da flotilha diz não, ordenando que esperem por instruções de Moscou.

Mas Moscou permanece em silêncio.

Arkhipov e Savitsky entram em uma discussão. Arkhipov considera a possibilidade de que os americanos só querem que eles emergem. Savitsky está convencido de que a guerra começou e que a honra da Rússia depende de ele voltar atrás.

Mas Arkhipov ainda é assombrado pelas mortes a bordo do K-19. Ele viu em primeira mão os horrores que a radiação nuclear pode desencadear. E ele tem uma família na Rússia.

Conheça: O dia em que Fragata da Marinha brasileira quase afundou submarino nuclear americano

Ele se mantém firme, Savitsky acaba recuando e eles entram em contato com os americanos que lhes dão permissão para aparecer.

Submarino Soviético B-59
Submarino Soviético B-59

Nenhum americano embarca no submarino. Os soviéticos estão autorizados a respirar ar fresco e depois voltam para casa. Uma vez lá, um dos superiores de Arkhipov diz a ele que teria sido melhor se ele tivesse morrido.

Na edição de 13 de outubro de 2002 do Boston Globe , Thomas Blanton, diretor do National Security Archive, foi citado como tendo dito que um “sujeito chamado Vasili Arkhipov salvou o mundo”.

E é por isso que você consegue ler isso.

Vasili Arkhipov - O homem que salvou o mundo
Este homem pode ter literalmente salvado o mundo. Vasili Arkhipov argumentou contra a determinação do capitão B-59 de disparar um torpedo nuclear contra o porta-aviões USS Randolph.

Sobre o acidente do Submarino K-19

Tudo começou em 4 de julho de 1961. Vasili Arkhipov estava a bordo do então novo submarino K-19 carregado com mísseis balísticos, quando aconteceu um vazamento em seu sistema de resfriamento do reator nuclear. Para evitar uma catástrofe nuclear, o capitão ordenou que a tripulação contivesse o vazamento.

Oito marinheiros morreram em poucos dias devido à radiação, causando um motim, mas Vasili Arkhipov apoiou seu capitão e o desastre foi contido. Por sua lealdade, bravura e calma, ele recebeu uma medalha.

Gostou do artigo de hoje? Viu como um homem evitou o início da Terceira Guerra Mundial ? Deixa nos comentários oque achou sobre o artigo!

Fonte: National Security Archive

Vasili Arkhipov – O homem que evitou a Terceira Guerra Mundial
4.7 (93.33%) 3 Voto[s]


Assine nossa Newsletter

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.


2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here