Georg Elser – um carpinteiro de uma pequena cidade no sul da Alemanha – que chegou muito perto de assassinar Adolf Hitler nos primeiros dias da Segunda Guerra Mundial.

Johann tinha 36 anos no momento que tentou matar Hitler e agora é considerado a tentativa mais próxima que já ocorreu de matar o Führer. Georg Elser atuava sozinho no planejamento e na realização da tentativa de assassinato.

Os historiadores descobriram que por 13 minutos “atrasado” Johann teria matada Hitler. Johann tinha percebido que, com Hitler no poder, a guerra era inevitável, então ele decidiu que ele plantaria uma bomba para matá-lo durante seu discurso anual no aniversário da Putsch da Cervejaria em um salão em Munique.

O evento comemorou as primeiras lutas nazistas na década de 1920.

O plano era esconder uma série de explosivos dentro de um dos pilares do corredor, logo atrás do pódio, onde Hitler gostaria de dar o seu discurso.

Então ele começou a trabalhar na cervejaria, onde Hitler faria seu discurso anual de novembro. É aqui que suas habilidades de carpintaria e marcenaria se tornaram inestimáveis.

Por mais de um mês, ele ficou até tarde na Bürgerbräukeller, abrindo um buraco no pilar e eventualmente escondendo sua bomba caseira dentro.

Vejam: Graf Zeppelin – O Porta-aviões de Hitler

Infelizmente, o mal tempo fecharia o aeroporto de Munique, com isso o cronograma de Hitler mudaria, já que ele devia estar de volta a Berlim o mais rápido possível e, portanto, teria que sair de Munique antes do planejado para conseguir um trem de volta a Berlim.

Vejam: Heinz Linge: A última pessoa a ver Adolf Hitler vivo

Isso significou que todo o horário de Hitler para o dia foi deslocado mais cedo e ele começou seu discurso no salão 30 minutos antes do planejado.

No dia do discurso, uma bomba caseira explodiu às 21h20min, exatamente como Georg Elser tinha planejado, mas Hitler já havia saído da sala treze minutos antes. Oito pessoas morreram e sessenta e nove ficaram gravemente feridas. O plano de Elser falhou e depois saiu de Munique.

A cervejaria Bürgerbräukeller após o atentado a bomba.

Georg Elser foi preso 35 minutos antes da bomba detonar por policiais fronteiriços em Konstanz quando ele tentava atravessar a fronteira com a Suíça, e foi entregue a Gestapo que rastreou a bomba de volta para Johann.

O Filme “13 Minutos” retrata a história de Johann.

Depois de confessar o crime, Georg Elser foi levado para a sede da Agência de Segurança do Reich em Berlim, onde foi severamente torturado pela Gestapo. entretanto o chefe da SS, Heinrich Himmler, ficou insatisfeito com os resultados. Elser alegou ter agido sozinho, mas, Himmler não acreditava nessa possibilidade.

Nos interrogatórios, Elser era obrigado a desenhar a bomba que foi utilizada no atentado. Entre 1925 e 1929, ele havia trabalhado numa fábrica de relógios em Konstanz, onde adquiriu conhecimentos para a construção de uma bomba-relógio.

Então os nazistas associaram dois espiões britânicos que tinham acabado de ser presos e então acusaram os dois homens como parceiros de Elser.

Uma vez nas mãos da Gestapo, ele foi interrogado e até torturado, sendo enviado mais tarde ao campo de concentração de Dachau.

Em Abril de 1945 a derrota alemã era iminente e os Aliados estavam cada vez mais próximos do campo de concentração. Hitler então ordenou que Johann Georg Elser fosse executado.

Uma placa em memória a Johann Georg Elser - Fatos Militares.

“Eu quis pela minha acção prevenir uma matança maior”Em memória de Johann Georg Elser, que passou a sua juventude em Königsbronn. Em 8 de Novembro de 1939, ele quis impedir o genocídio com uma tentativa de assassinar Hitler. Em 9 de Abril de 1945, Johann Georg Elser foi assassinado no Campo de Concentração de Dachau. O seu nome foi dado a um pequeno quarteirão em Maxvorstadt, na cidade de Munique. Também em Munique, uma sala de concertos foi baptizada de ‘Georg Elser Halle’.

Vejam: E se os nazistas tivessem vencido a guerra?

Em 2014, a chanceler alemã Angela Merkel reconheceu Georg Elser como um herói da resistência anti-nazista, descrevendo-o como “aquele que lutou por conta própria … para tentar impedir a guerra”.